sexta-feira, 27 de junho de 2008

Eu sou contra a homofobia, e você?

Evangélicos "invadem" Congresso e reivindicam direito de criticar homossexualismo

"Cerca de mil evangélicos realizaram, na tarde desta quarta-feira, um grande protesto em frente ao Congresso Nacional contra o projeto de lei (PL) 122/2006, que entre outros pontos prevê prisão para quem praticar a homofobia. Uma parte dos manifestantes, inclusive pastores e parlamentares, forçou a entrada no Parlamento e distribuiu um documento a parlamentares para pedir a rejeição do projeto, alegando prejuízo à prática religiosa."

"...alegando prejuízo à prática religiosa."
Espera aí! Agora criticar o homossexualismo virou parte da prática religiosa?
Patético!
Quando eu era pequena aprendi que a prática religiosa é você louvar e agradecer à Deus e fortalecer sua fé dia após dia. Além de fazer bem ao próximo.
Cadê isso? Cadê?

"...Nós amamos os homossexuais, porque são nossos irmãos, mas não amamos o homossexualismo. Não aceitamos discriminação de ninguém, mas não aceitamos sermos discriminados em nossas convicções religiosas”, bradou Martini.

Ah tá! Um exemplo fictício: É a mesma coisa se eu disser que amo os deficientes, mas não amo a deficiência. NÃO EXISTE ISSO!
Mais uma vez, se a convicção e prática religiosa deles se resumem à criticar, isso pra mim não é uma Igreja.

É falso moralismo isso!
Eles querem apontar que isso está na Bíblia como pecado, mas roubar também é um pecado e está na Bíblia! Mas acho que disso todo mundo se esquece.
Cadê os pastores que eram para estar atrás das grades?
Não só eles, e sim todos os ladrões, independente da religião.
Aliás, sugiro uma pesquisa à essas pessoas que adoram fazer estudos de tudo: qual a porcentagem de homossexuais envolvidos em roubos, assaltos, assassinatos e qualquer outro ato ilícito. Eu aposto que seria uma porcentagem baixa.
Mas como dizem, a corda sempre quebra para o lado mais fraco. Infelizmente o lado forte hoje em dia não é o certo pra nós.

Ah, e o principal: (em meu básico conhecimento) na Bíblia também consta que só Deus tem o poder de julgar. Será que eles pularam essa parte?
Eles sim estão abrindo as portas do inferno para eles próprios.

Eu, sinceramente, espero que um dia possamos viver a liberdade de expressão sem tanto medo, e não só em algumas linhas numa lei que muitos passam por cima.

4 comentários:

nita disse...

é mana, somos contra homofobia. para mim não existe coisa pior do que preconceito. eu confesso que as vezes sofro desse mal, mas todo mundo sofre, a diferença é que eu não me acho melhor do que ninguém por causa da opção sexual, raça ou classe social. as pessoas deviam aprender a respeitar os outros.

Anônimo disse...

Esse projeto de lei foi feito passando em cima dos outros, e colocando o normal como anormal, e o anti-natural como o padrão a ser seguido e respeitado, para não se dizer "temido".
Se alguém acha que não faz parte da evolução ter repulsa em se colocar um pênis no local de onde deveria sair as fezes, sob a túnica do "qualquer um faz o que quer", está dizendo em outras palavras que a natureza é burra.
Aliás esse projeto faz isso mesmo: Diz que Deus errou no projeto, e que o governo vai consertar na "canetada".
Direito a quem é diferente. Mas sem mordaça ou sem liberdade de expressa. A militância gay quer fazer isso: botar na cadeia todo mundo que discordar, ou falar um "a" deles.

Anônimo disse...

Nunca bati na cara de viadinho apesar de alguns ousados merecerem, mas apesar de tudo respeito, contudo ninguém pode ficar imune de críticas. Nenhuma categoria é melhor que outra...

Minofz disse...

Bom, sou contra qualquer tipo de preconceito, não há duvida sobre isso, porém acho esse assunto deveras delicado pois, se de um há a controversia da necessidade de haver um dispositivo legal para que seja mantido os direitos iguais para todos, há também quem se aproveita da situação para se utilizar disso a fim se favorecer da situação, não acho que ngm é mais ou menos especial que ninguém, mas a situção como isso ocorre, isso sim deve ser analisado, pois independente de nossas escolhas temos de saber respeitar os demais, ou seja, a minha liberdade vai até onde começa a do proximo, isso sim é o que devemos respeitar, acho que saber onde é esse limite é o grande problema dos dias de hoje.